Morte de mulheres é “verdadeira derrota” para o Brasil, diz ONG Human Rights Watch

Leis específicas de combate à violência contra a mulher, no Brasil, ainda não representam garantia de punição aos agressores, tampouco de políticas públicas efetivas e preventivas quanto a esses casos na área de segurança. A avaliação é de representantes da ONG Human Rights Watch no Brasil e foi feita nesta quinta-feira (18), em São Paulo, durante…

Jornalistas do Patrícia Galvão entram para a Lista de Mulheres Inspiradoras com livro Feminicídio

As jornalistas Marisa Sanematsu, Diretora de Conteúdo do Instituto Patrícia Galvão, e Débora Prado, Editora Executiva, entraram para a Lista de Mulheres Inspiradoras do site Think Olga pela realização do livro Feminicídio #InvisibilidadeMata. Produzido pelo Instituto Patrícia Galvão e lançado em abril de 2017, o livro está disponível para download gratuito e traz as principais definições e números…

Exposição na Bélgica traz roupas de vítimas de estupro para romper mito de ‘culpa da mulher’

Em 2016, uma pesquisa do Datafolha encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostrou que mais de um terço dos brasileiros acredita que “mulheres que se dão ao respeito não são estupradas”. No mesmo estudo, 30% disseram que “mulher que usa roupas provocativas não pode reclamar se for estuprada”. Uma exposição de roupas de vítimas…

Baixe material pedagógico da Série Mulheres na História da África, produzido pela Unesco

Está disponível em português, para download gratuito, a obra ‘Njinga Mbande: Rainha do Ndongo e do Matamba’, uma publicação digital sobre uma das lideranças mais expressivas que Angola já teve, um marco de governança feminina fora do comum, que se revelou como negociadora e diplomata ímpar, além de apresentar táticas de guerra e espionagem importantes para…

Grávidas que foram vítimas de estupro têm acesso dificultado ao aborto previsto em lei

Mulheres rodam por hospitais em busca da garantia do direito (O Globo, 03/01/2018 – acesse no site de origem) Mulheres que engravidaram após sofrerem violência sexual têm o direito, garantido por lei, de interromper a gestação. Mas muitas simplesmente não conseguem fazer o aborto legal nas unidades de saúde que deveriam oferecer o serviço. Grávidas…