xnisia.png.pagespeed.ic.X2U72_0UNT

Nísia Floresta: o que pensava e defendia a primeira professora feminista do Brasil

Há 210 anos, em 12 de outubro de 1810, nascia em Papari, no Rio Grande do Norte, Nísia Floresta, a primeira educadora feminista do Brasil. Pioneira na defesa dos direitos e na luta pela emancipação das mulheres, ela também defendia a abolição da escravidão e a liberdade religiosa em uma época em que somente homens brancos e de…

Detalhes
Carolina_2-int

Brasileira é a segunda mulher a ganhar prêmio internacional para jovens matemáticos

Carolina Araujo, pesquisadora do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), é a primeira mulher brasileira e segunda do mundo a conquistar o Ramanujan Prize, prêmio internacional de matemática concedido a jovens matemáticos de países em desenvolvimento. Ela foi reconhecida por sua pesquisa em geometria algébrica e, mais especificamente, pelas aplicações que apresentou na geometria…

Detalhes
bia

Ela já capacitou mais de 5 mil mulheres para trabalhar na construção civil

O gosto pela construção civil ela herdou da mãe, que vivia reformando a casa com trabalho próprio. Já a vontade de melhorar as vidas alheias surgiu durante os anos de trabalho no serviço público. Unindo as duas características, a gaúcha Maria Beatriz Kern, 62, arregaçou as mangas e criou a ONG Mulher em Construção, iniciativa…

Detalhes
16027296525f87b6b4aacb7_1602729652_3x2_lg

Menos conectada, mulher do campo enfrenta barreiras

Duas mudanças são inevitáveis e fundamentais para um melhor desenvolvimento do campo. Uma delas é a apropriação pela mulher do campo das tecnologias digitais. A outra é uma redução da distância digital entre o conhecimento e o poder de uso dessas tecnologias entre o campo e o centro urbano. A estrutura social desigual inibe o avanço da potencialidade…

Detalhes
21out2015–emmanuelle-charpentier-e-jennifer-doudna-sao-as-ganhadoras-do-premio-nobel-de-quimica-de-2020-1602065940405_v2_900x506

Nobel de Química premia duas cientistas por Crispr, técnica de edição genética

O Prêmio Nobel de Química de 2020, 100% feminino, foi para Emmauelle Charpentier, do Instituto Max Planck, da Alemanha, e Jennifer Doudna, da Universidade da Califórnia, em Berkeley, por terem aberto a possibilidade de reescrever o código da vida a partir de um método de edição genética. O anúncio das laureadas ocorreu na manhã desta…

Detalhes