p-1-research-shows-us-workplaces-need-this-level-of-diversity-to-prevent-tokenism

Tokenismo: Onde só existe um único preto entre brancos, tem racismo

O conceito do “tokenismo” é fácil, muito fácil de ser identificado, especialmente em ambientes de classe média alta em diante. Em se tratando de Brasil, esses ambientes são majoritariamente brancos e hegemônicos, mas todo cuidado é pouco. Desconfie se nesses ambientes você se deparar com uma única pessoa negra. Sim, a síndrome do negro único…

Detalhes
bandeira-trans

Recorde de vereadoras trans é recado para a turma do “meninos vestem azul”

O Brasil é o país que mais mata transexuais e travestis no mundo. Segundo levantamento da ONG Transgender Europe, 868 pessoas trans foram assassinadas no Brasil entre 2006 e 2019. A violência não tem melhorado, pelo contrário. Entre janeiro e agosto deste ano, foram 129 assassinatos, segundo dados da Antra (Associação Nacional de Travestis e…

Detalhes
bia

Ela já capacitou mais de 5 mil mulheres para trabalhar na construção civil

O gosto pela construção civil ela herdou da mãe, que vivia reformando a casa com trabalho próprio. Já a vontade de melhorar as vidas alheias surgiu durante os anos de trabalho no serviço público. Unindo as duas características, a gaúcha Maria Beatriz Kern, 62, arregaçou as mangas e criou a ONG Mulher em Construção, iniciativa…

Detalhes
16027296525f87b6b4aacb7_1602729652_3x2_lg

Menos conectada, mulher do campo enfrenta barreiras

Duas mudanças são inevitáveis e fundamentais para um melhor desenvolvimento do campo. Uma delas é a apropriação pela mulher do campo das tecnologias digitais. A outra é uma redução da distância digital entre o conhecimento e o poder de uso dessas tecnologias entre o campo e o centro urbano. A estrutura social desigual inibe o avanço da potencialidade…

Detalhes
mari-torquarto-criou-o-maior-canal-sobre-deficiencia-do-brasil-1593543335257_v2_300x225

Elas lutaram para estudar e são contra medida que prioriza escola especial

Quando era pequena e já sabia ler, a designer e blogueira Marina Batista, hoje com 35 anos, decidiu que queria ir para a escola regular. As aulas que tinha em uma escola “especial”, para crianças com deficiência, não eram o suficiente. “Eu queria mais, tinha vontade de aprender coisas, não queria ficar só desenhando”. Marina…

Detalhes