beijo-roubado

Lei de Importunação sexual

A importunação sexual acontece todos os dias, principalmente nos espaços públicos, mas o Carnaval é uma data chave para esse tipo de debate por ser um evento culturalmente associado ao “tudo pode” e a objetificação da mulher. Durante o Carnaval, todas ocupamos o espaço público, porém o nosso espaço enquanto mulher não é visto como…

Detalhes

Ao todo, 15 estados participam da campanha Não é Não no carnaval 2020

(Agência Brasil, 13/01/2020 – acesse no site de origem)

A campanha Não é Não contra o assédio no carnaval, criada em 2017 por um coletivo de mulheres vai chegar, este ano, a 15 estados brasileiros, incluindo Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Piauí, Paraíba e Espírito Santo, que participam pela primeira vez da ação.

O coletivo distribui tatuagens temporárias com os dizeres Não é Não, faz palestras e rodas de conversa para conscientização sobre o tema. Em entrevista à Agência Brasil, a estilista Aisha Jacon, uma das criadoras da campanha, disse que o balanço da ação é positivo. “A gente vê uma adesão super expressiva e entende que o assunto tem de ser tratado. Há uma lacuna”, manifestou.

Em 2017, foram distribuídas 4 mil tatuagens; no ano passado, esse número evoluiu para 186 mil. Para o carnaval de 2020, a meta é produzir 200 mil tatuagens. Aisha Jacob reconheceu, entretanto, que tudo vai depender da verba que for obtida por meio do financiamento coletivo, pelo site do coletivo. “É preciso que haja mais contribuições de pessoas físicas mesmo”.

Reação

Indagada sobre a reação masculina à campanha, Aisha disse que tem de tudo, ”desde apoio, homem que acha incrível e contribui (financeiramente), como tem aqueles que incomodam bastante”. Ela vê a campanha como um projeto de reeducação geral. “É fazer entender que assédio não é legal. É diferente de paquera. É um processo. Não vai ser do dia para a noite que a gente vai conseguir”.

Um dos projetos do coletivo que depende também de apoio financeiro para se expandir abrange a realização de palestras e rodas de conversa em escolas e universidades. Até o momento, as voluntárias do coletivo visitaram algumas escolas e faculdades em alguns estados. “É o lugar que a gente mais gosta de estar como projeto”. Aisha mencionou o retorno que o projeto teve em uma escola em Niterói, região metropolitana do Rio de Janeiro, onde as alunas relataram terem sofrido uma situação de assédio, que levaram para a diretoria. “Elas conversaram com o menino e conseguiram fazer um movimento dentro da escola de forma diferente”.

Manifesto

No manifesto contra o assédio nos espaços públicos o coletivo de mulheres salienta: “O corpo é uma festa mas não é público! O corpo é nosso e não está disponível a quem queira. Não aceitamos nenhuma forma de assédio: seja visual, verbal ou física. Assédio não é elogio. Assédio é constrangimento. É violência! Defendemos nosso direito de ir e vir, de nos divertir, de trabalhar, de gozar, de se relacionar. De ser autêntica. Que todas as mulheres possam ser tudo aquilo que quiserem ser”.

O grupo se considera um escudo de proteção para as mulheres.  “Criamos juntas um escudo, uma barreira de proteção e conexão. Formamos uma rede de apoio entre mulheres. Mais do que um recado para os homens, uma afirmação feminina do nosso desejo: podemos e vamos dizer não! É por isso que tatuamos nos nossos corpos: Não é Não! Por todas as mulheres que tiveram seus corpos violados, que sentiram medo de andar na rua, que tiveram vergonha, que sendo vítimas, se sentiram culpadas. Por todas as meninas que já nasceram ou irão nascer. Para que todas possam viver em um mundo com mais equidade de direitos e oportunidades. Por todas essas mulheres repetimos: Não é Não”.

Por Alana Gandra – Repórter da Agência Brasil Rio de Janeiro

Fonte: Agência Patrícia Galvão

Detalhes
nota de repudio jornalista (1)

Nota de Repúdio – PV Mulher

A Secretaria Nacional de Mulheres do Partido Verde (PV Mulher), repudia as ofensas misóginas que a jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de São Paulo, sofreu hoje (18), do presidente da República, Jair Bolsonaro, durante entrevista sobre a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), que apura as Fake News (notícias falsas), disseminadas na campanha eleitoral…

Detalhes
nota de repudio jornalista 1

Nota de Repúdio – PV Mulher

A Secretaria Nacional de Mulheres do Partido Verde (PV Mulher), repudia os ataques machistas que a jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de São Paulo, sofreu durante a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), que apura as Fake News (notícias falsas), disseminadas na campanha eleitoral de 2018. Além da atitude sexista no depoimento do ex-funcionário…

Detalhes
86391795_2540847979504931_2422450585321078784_o (1)

Secretária Nacional de Mulheres do PV participa do Fórum de Mulheres de Partidos Políticos

A Secretária Nacional de Mulheres do Partido Verde, Shirley Torres, do Acre, e a secretária distrital de mulheres do PV-DF, Renata Fortes, estiveram presentes na primeira atividade do ano do Fórum Nacional de Instância de Mulheres de Partidos Políticos. O encontro foi realizado na tarde desta quinta-feira, 13, na sede do PSB, em Brasília, na…

Detalhes
Nota-de-Repúdio—PV-Mulher

Nota de Repúdio – PV Mulher

A Secretaria Nacional de Mulheres do Partido Verde repudia a fala do ministro da economia, Paulo Guedes, que criticou as empregadas domésticas que viajam para a Disney. Esta fala foi machista e racista, já que 92% dos trabalhadores doméstico são mulheres (5,7 milhões), e deste total, 68% são negras (3,9 milhões), segundo dados do Instituto…

Detalhes
Screenshot_22

SENADO APROVA REABILITAÇÃO PARA HOMENS QUE AGRIDEM MULHERES, ANTES DE SEREM CONDENADOS

Para virar lei, proposta só precisa ser sancionada por Bolsonaro (O Globo, 07/02/2020 – acesse no site de origem) O Plenário do Senado aprovou quarta-feira, dia 7, o projeto de lei que estabelece a medida protetiva de encaminhamento de homens agressores de mulheres a centros de educação e reabilitação psicossocial. Com isso, o que antes…

Detalhes
Screenshot_19

Pesquisa mostra correlação entre desnutrição materna e microcefalia

Grupo de 27 pesquisadores do Brasil, Reino Unido, Argentina e Estados Unidos descobriu correlação entre a desnutrição das mães e a síndrome congênita do vírus zika nos bebês, que tem na microcefalia uma de suas manifestações. A conclusão do trabalho foi publicada hoje no periódico norte-americano Science Advances. O trabalho foi dividido em duas partes,…

Detalhes